Greve na Cohab reflete descaso com política de habitação de interesse social

Foto: Divulgação Senge-PR

A Professora Josete (PT) manifestou-se nesta segunda-feira (11), na Câmara de Curitiba, em apoio aos servidores da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab), que deflagram uma greve por tempo indeterminado por atraso de salários. Desde junho de 2017, o pagamento ocorreu em dia apenas em dois meses.

A previsão legal é de que os salários devem ser depositados no último dia útil de cada mês. No entanto, a média de atraso tem sido de 10 dias. No caso dos vencimentos referentes a maio, não foram pagos até agora.

Para a vereadora, o atraso de salários é reflexo do descaso da gestão Rafael Greca (PMN) com as políticas públicas de habitação de interesse social. Ela fez um histórico sobre a ausência de políticas do município e condição de dependência de recursos do governo federal para que projetos na áreas sejam implementados.

“Vivemos um longo período sem política habitacional para a baixa renda e quando existiu foi fruto de recursos federais, especialmente durante os governos Lula e Dilma, por meio do Minha Casa Minha Vida. A partir daí houve uma retomada e se criou o fundo municipal de interesse social. Porém, hoje, com o governo golpista de Temer esses recursos e projetos foram finalizados”, destacou.

A decisão da greve foi tomada em assembleia geral dos funcionários, na última sexta-feira (8). Os trabalhadores pretendem seguir paralisação até que os salários sejam pagos. A mobilização é resultado da ação conjunta de quatro sindicatos.

“Há um total desinteresse da gestão com a política de habitação de interesse social. Tínhamos política quando tinha recursos federais e, a partir que esses recursos minguaram, a prefeitura também lavou as mãos de suas obrigações”, aponta Valdir Mestriner, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná (Sindiurbano-PR)

Para Edilene Pires da Silva Andreiu, engenheira civil da Cohab e diretora do Sindicato dos Engenheiros do Paraná (Senge-PR) a postura da prefeitura reflete um desrespeito não somente com a categoria, mas também com a população de Curitiba. “Essa postura se reflete na precarização de uma área primordial para a promoção do direito à moradia para a população”.

Atualmente, há 51 mil pessoas inscritas na fila da Cohab, pelo acesso à casa própria. Na avaliação dos sindicatos que representam os funcionários, a prefeitura se exime da responsabilidade com os salários, mesmo sendo detentora de 99% das ações da Companhia.

O atraso de salários na Cohab atinge mais de 250 trabalhadores. A Companhia é responsável pela construção de cerca de 700 empreendimentos habitacionais populares, em 40 dos 75 bairros de Curitiba. No total, ao longo de 53 anos de criação do órgão, 139 mil habitações foram construídas.

GREVE COHAB CURITIBA

A vereadora Professora Josete esteve no piquete de greve a poucos minutos e falou sobre a importãncia da COHAB Curitiba e sobre a ausência de uma política de habitação para a cidade de Curitiba.Pela manhã, a veradora já havia levado esta pauta à sessão da Cãmara de Vereadores.#PagaGreca#GrecaSalveaCohab#GreveCohab

Publicado por Sindiurbano Paraná em Segunda, 11 de junho de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*